Vinho
Indicar para um amigo

Viña Sastre Roble 2005 (Bodegas Hermanos Sastre)

País: Espanha (La Horra - Burgos - Ribera del Duero)
Safra: 2005
Tipo: Tinto (100% Tempranillo)
Álcool: 14,50%
Temperatura de consumo: 16ºC a 17ºC
Preço: R$ 71,00

 
ApresentaçãoAnálise TécnicaNossa AnáliseHarmonizaçãoOnde encontrar
Apresentação

Ribera del Duero pode ser considerado um caso singular na vitivinicultura espanhola. Embora responda por apenas 2% da produção de vinhos da Espanha, é a localidade onde são encontrados os vinhos mais caros do país. Resultado, sem dúvida, de um trabalho absolutamente espetacular, de produção qualificada e muito concentrada (de poucas unidades), desenvolvido pelas vinícolas locais, que não passam de um total de 170, numa área cultivada de cerca de 18,6 mil hectares.

É nessa região que a Bodegas Hermanos Sastre elabora este Viña Sastre Roble 2005, com direito a Denominación de Origen (DO) por seguir tipicidade das uvas e métodos de produção. A pequena vinícola familiar está localizada numa das áreas mais privilegiadas do Vale do Duero, contanto com apenas 30 hectares, sendo que, divididas, algumas das áreas possui vinhas com mais de 80 anos, de baixíssimo rendimento e concentração (18 hl/hectare). A produção anual da propriedade gira em torno de 190 mil litros.

Esse Viña Sastre Roble 2005 é o exemplar de entrada da Hermanos Sastre, extraído de uvas Tempranillo cultivadas em solos leves e arenosos, profundamente argilosos e com afloramentos esparsos de calcário. O clima local é de dias ensolarados e quentes e noites muito frias, sempre sob influência das correntes que chegam do Rio Duero, o mesmo chamado de Douro em Portugal, dos vinhos do porto.

Após a colheita, as uvas são selecionadas e separadas conforme seu potencial, sendo direcionadas a cada tipo de produto da vinícola. O Viña Sastre Roble 2005 estagiou por seis meses em barricas de carvalho americano e está pronto para ser consumido, embora suporte guarda até 2010. A temperatura de consumo é de 16ºC a 17ºC.

Análise Técnica

Diz o diretor da importadora Península, Juan José Suarez Rodriguez, ao ser indagado sobre o Viña Sastre Roble 2005: “Um vinho de grande complexidade, que explora bem o caráter frutado e conta com madeira bem integrada. Tem muita estrutura e um excelente retrogosto, com persistência muito longa”.

No exame visual, o especialista destaca a coloração cereja intensa, quase opaca. Já ao levar o exemplar ao nariz, Rodriguez comenta a complexidade aromática, formada por baunilha e frutas vermelhas, além de odores de geléia de groselhas e a madeira integrada.

“Na boca, percebe-se que este vinho é potente, com ótima concentração e mastigável. Um vinho denso, muito equilibrado e com pouca presença de madeira na boca, além de taninos macios e boa acidez”, comenta o diretor da Península.

Segundo ele, um vinho que necessariamente pede um acompanhamento, uma refeição. “Sem dúvida, este vinho pede comida, suportando até pratos mais fortes e condimentados”, sugere o especialista.

Nossa Análise

A região de Ribera del Duero, na Espanha, passou a ter holofotes voltados para ela graças ao reconhecimento do vinho Vega Sicília, um ícone da vinicultura espanhola. Na região, hoje são produzidos os vinhos mais caros da Espanha.

Beber este Viña Sastre Roble 2005 é, de certa maneira, manter contato com o padrão de excelência regional. Mesmo sendo o vinho de entrada da Bodegas Hermanos Sastre, o exemplar apresenta grandes virtudes, que o coloca no patamar de vinhos com ótima relação entre preço e prazer.

Sua coloração vermelho opaca, puxada para cereja, até dá alguma indicação de rusticidade ao exemplar. Entretanto, no próprio olfato já notamos elegância e classe, com boa complexidade de odores. Facilmente, encontramos cheiros adocicados, como framboesa e cereja, baunilha, combinados com uma leve ponta que remete a terra. De fundo, um odor de madeira, muito integrado.

Na boca, sua textura encanta. Enche as laterais e o meio da língua, combinando salivação provocada pela acidez com a leve “pegada” em lábios e gengivas geradas pelo tanino, substância adstringente. O álcool, de 14,5%, está bem integrado. Traz todas as características do Velho Mundo, com finesse e algum “peso”, sendo inevitável mastigar o vinho. As frutas e o leve toque de madeira se confirmam no paladar, além de uma ponta levemente salgada, lembrando a asfalto.

Um tinto seco encorpado, que pede um prato, a base de carne ou galeto assado, por exemplo. Após o gole, o sabor permanece na boca por muito tempo, mais de 8 segundos, deixando um sabor de frutas e de torrefação. Está pronto para consumo, mas suporta guarda até 2010.

Harmonização

Galeto assado
Carnes grelhadas
Aves e caças menores, como perdiz e codorna

Onde Encontrar

Península

(11) 3822-3986 (São Paulo) ou (21) 2529-8983 (Rio de Janeiro)
www.peninsula1.com

Copyright® 2019 MundoVinho®. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução
de qualquer texto sem prévia autorização por escrito de MundoVinho®.
Desenvolvimento MadeinWeb Internet Solutions