Vinho
Indicar para um amigo

Casa de Amaro Reserva Merlot (Sulvin)

País: Brasil (Serra Gaúcha – Vinhos dos Altos Montes – Flores da Cunha)
Safra: 2004
Tipo: Tinto (100% Merlot)
Álcool: 12,60%
Temperatura de consumo: 16ºC a 18ºC
Preço: R$ 44,00

 
ApresentaçãoAnálise TécnicaNossa AnáliseHarmonizaçãoOnde encontrar
Apresentação

Casa de Amaro constitui a linha de vinhos premium da Sulvin. O rótulo é uma homenagem a Amaro Godinho, patricarca fundador da empresa, constituída em 1923, na cidade de São Roque, interior paulista.

Hoje, a sede da Sulvin fica em Flores da Cunha, sub-região dos Vinhos dos Altos Montes, local onde foi produzido este Casa de Amaro Reserva Merlot.

As uvas usadas no exemplar provêm dos 16,5 hectares que a empresa possui em Ipê, na Serra Gaúcha. Além de Merlot, são cultivadas na localidade as cepas Carmenère, Cabernet Sauvignon, Sangiovese e Chardonnay.

Posicionadas na encosta da Serra, as videiras vivem a uma altitude de 900 metros acima do nível do mar, expostas a amplitudes térmicas que garantem a maturação da uva por um período mais longo e, ao mesmo tempo, geram frescor no vinho.

A produção deste Casa de Amaro Reserva Merlot, na safra 2004, foi de apenas 7.340 garrafas (degustamos a de numeração 2.235). Após a colheita, as melhores uvas foram encaminhadas para Flores da Cunha, sendo produzido o vinho e, posteriormente, com passagem por seis meses em barricas de carvalho francês, de primeiro uso, seguindo para ser engarrafado e distribuído.

A temperatura sugerida para serviço é de 16ºC a 18ºC e a safra 2004 está pronta para consumo, devendo ser bebida até o final de 2009, para garantir o frescor do vinho.

Análise Técnica

O Casa de Amaro Reserva Merlot é, segundo seu criador, o enólogo Adans Reginato Boz, um vinho de elevado padrão, recomendado para acompanhar refeições. “É um Merlot de desempenho sensacional”, garante.

Segundo ele, uma série de cuidados são aplicados pela Sulvin a essa linha de vinhos premium. “Separamos uma área de nossa fazenda em Ipê, na Serra Gaúcha, a ser dedicada exclusivamente para os vinhos Reserva. Ali é feito um acompanhamento especial, com certo tipo de adubação, uma maturação diferenciada e escolha dos melhores frutos”, detalha o especialista. “Por isso é um vinho tão especial.”

No exame visual, o enólogo destaca a coloração rubi, com tonalidade jovial, “apesar de ser um vinho da safra 2004”. “Até pela idade, surpreende por manter um tom forte na sua coloração”, declara.

Aromas de especiarias, sobretudo de cravo e canela, combinados com odores frutados, marcam as percepções olfativas desse vinho, de acordo com Boz.

“Possui um corpo médio, redondo, com taninos macios e adocicados. Complementa com ótimo frescor e acidez”, relata, referindo-se ao exame gustativo. “Há sabor frutado, com cereja marcante”, acrescenta.

De acordo com o enólogo da Sulvin, o Casa de Amaro Reserva Merlot, em sua safra 2004, estará no seu esplendor para ser consumido até o final de 2009, início de 2010.

Nossa Análise

Com alguma freqüência, você encontrará citações de especialistas em vinhos dizendo que a grande uva, que obtém o melhor desempenho na região da Serra Gaúcha, é a Merlot. Embora não sejamos defensores de uma monocultura na região, MundoVinho entende que, de fato, a Merlot resulta em grandes exemplares da Serra Gaúcha. E esse Casa de Amaro Reserva Merlot é um deles.

Um vinho com boa estrutura, revelando harmonia entre coloração, odores e sabores. Seu rubi é intenso, profundo, com algumas nuances atijoladas. Certamente motivado pelo ano da safra degustada, de 2004, que já começa a apresentar os sinais do tempo na bebida.

De toda forma, até o início de 2010, esse vinho tende a manter seu explendor. Assim, ao levá-lo ao nariz, você notará um cheiro bom, e forte, de especiarias, algo que lembre cravo e canela. Note também, com alguma atenção, um odor leve de ervas. Marcante, além das especiarias, são os cheiros de cereja, framboesa e amora, típicos da Merlot.

Na boca, o vinho tem uma entrada fina, aparece no meio da língua. Seco, provoca uma salivação média, resultado de sal moderada acidez. Há também uma sensação tática, na língua, de frescor, lembrando a frio.

De toda forma, é um vinho leve, fácil de tomar. O álcool quase não aparece e a adstringência, ou seja, aquela contração de gengivas e lábios (a chamada “pegada”), gerada pelos taninos, é imperceptível. Mais uma vez, provavelmente resultado da acomodação do vinho pelos anos de guarda.

Depois de um bom gole, deixa um sabor de especiaria na boca, com persistência média, de quatro a seis segundos. Um vinho muito gostoso, a ser explorado preferencialmente numa refeição, com uma massa ou carnes brancas.

Harmonização

Pizza de mussarela
Queijos não-maturados
Peito de frango grelhado
Macarrão com molho ao sugo

Onde Encontrar

Sulvin
Atendimento pessoal pelos telefones (11) 8609-9064 ou (11) 9681-9588 (São Paulo)
cintia@sulvin.com.br
www.sulvin.com.br

Copyright® 2019 MundoVinho®. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução
de qualquer texto sem prévia autorização por escrito de MundoVinho®.
Desenvolvimento MadeinWeb Internet Solutions