Vinho
Indicar para um amigo

Cordelier Vin de Liqueur (Vinícola Cordelier)

País: Brasil (Bento Gonçalves – Vale dos Vinhedos – Serra Gaúcha)
Safra: -
Tipo: Doce (Moscato, Malvasia e Peverella)
Álcool: 18,00%
Temperatura de consumo: 10ºC a 15ºC
Preço: R$ 25,00

 
ApresentaçãoAnálise TécnicaNossa AnáliseHarmonizaçãoOnde encontrar
Apresentação

Produzido a partir das uvas brancas de origem italiana Moscato, Malvasia e Peverella, sem proporções definidas, o Vin de Liqueur da Vinícola Cordelier se inspira no chamado Jerez, feito originalmente na região de Anadaluzia, no sul da Espanha, um vinho fortificado. O exemplar brasileiro doce, licoroso, recebe da Cordelier a denominação de “rosado” por conta de seu envelhecimento em barricas de carvalho americano de terceiro ou quarto uso, já marcadas pelas longas passagens anteriores de vinhos tintos.

O cultivo das uvas é feito em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, no Vale dos Vinhedos, principal zona produtora do Brasil. A Cordelier se vale de uvas próprias e outras adquiridas de fazendeiros locais para garantir a regularidade de fabricação e qualidade desse vinho, com escala anual de 30 mil garrafas.

O Vin de Liqueur nasce da mescla de uvas e safras, inclusive de anos diferentes, e exatamente por isso não é safrado. O processo de fermentação é interrompido com acréscimo de álcool e o açúcar residual, natural das uvas, é mantido. Em alguns casos, segundo a Cordelier, o vinho é corrigido com a adição de açúcares, para manter a doçura integrada à elevada presença de álcool.

Após esse processo, o vinho é filtrado e clarificado, seguindo para as barricas de carvalho onde estagia por, pelo menos, 24 meses. Depois, é homogeneizado, pois diferentes barricas de carvalho podem gerar nuanças diferentes, e segue para engarrafamento e comercialização.

Um vinho que se destina principalmente para acompanhar sobremesas ou ser servido como um digestivo. Também se comporta bem como aperitivo, antes das refeições. A temperatura de serviço pode oscilar de 10ºC a 15ºC, dependendo da preferência de quem vai beber por um vinho mais ou menos frio. Como dificilmente a garrafa deverá ser consumida inteira, quando aberta, a Cordelier recomenda que, após aberto, seja mantido na porta do refrigerador, com a recolocação da rolha, suportando um prazo em torno de 30 dias.

Análise Técnica

Dario Crespi, enólogo da Vinícola Cordelier, classifica o Vin de Liqueur como um exemplar fortificado, destinado essencialmente ao consumo como digestivo, acompanhando sobremesas, ou aperitivo, antes de refeições. “Procuramos desenvolver um vinho inspirado no Jerez espanhol, mas com estilo próprio”, afirma Crespi.

O especialista descreve o exemplar com coloração âmbar, “sem tons de vermelho”, resultado do envelhecimento em barricas de carvalho americano por, no mínimo, 24 meses.

Os aromas identificados pelo especialista são de madeira, baunilha, chocolate e geleias de ameixa e uva passa. De boa complexidade, portanto.

Embora conte com 18% de álcool, o enólogo afirma que o Vin de Liqueur não deve ser considerado alcoólico, pois há boa integração com o açúcar e a acidez quase imperceptível. “Praticamente não há presença de taninos, que estão muito delicados”, acrescenta. Crespi assinala sabores de carvalho, baunilha e tostado.

“Vai muito bem ao harmonizar com frutas cítricas”, indica o especialista. Ele alerta que, embora admita uma temperatura mínima de serviço de 10º, não é recomendável esfriar demasiadamente o vinho. “Não muito gelado, se comporta melhor, mais prazeroso”, justifica.

Nossa Análise

Uma boa alternativa, com ótima relação qualidade e preço, para vinhos de sobremesa é como enxergamos esse Vin de Liqueur da Cordelier, produzido no Vale dos Vinhedos, na Serra Gaúcha. Conta com uma coloração âmbar, ou acastanhada, lembrando acaramelado. Exposto contra a luz, revelou sinais vermelhos.

Oferece generosidade de cheiros, múltiplos e envolventes. De doçura, baunilha e chocolate doce; de torrefação, chá mate, café e tostado. É perceptível também o odor levemente alcoólico, indicando ser um vinho fortificado.

Na boca, o sabor doce se confirma, essencialmente com presença de baunilha, algo de coco queimado e notas de torrefação. Apresenta-se de forma explosiva, com um grande volume de sabores que aparecem na ponta da língua e depois preenchem toda a boca, untando bem todos os cantos. Possui boa viscosidade em sua textura, remetendo a acaramelado, quase sem nenhuma acidez (sensação de frescor que provoca salivação).

Tem uma longa persistência, mantendo sabores por mais de 10 segundos. Apesar dos 18% de álcool, não se revelou “quente”, mas bem integrado, principalmente por conta do sabor doce. Vai melhor como um digestivo. Agradou bastante acompanhando uma xícara de café.

Também fará bonito com doces de sabor intenso, com amêndoas, avelãs e castanhas, ou com chocolates e frutas secas, caso de ameixas. Em grande quantidade, se revelou enjoativo.

Harmonização

Aperitivo
Digestivo
Frutas cítricas
Doces de sabor intenso, com amêndoas, avelãs e castanhas
Ameixas secas
Chocolates
Café

Onde Encontrar

Vinhos e Vinhos
(54) 3463-8380 (Bento Gonçalves – RS)
www.vinhosevinhos.com

VinhosNet
(só vende de caixa com 6 unidades)
(54) 3055-3808 Bento Gonçalves – RS)
www.vinhosnet.com.br

Imigrantes Bebidas
(11) 5067-2700 (São Paulo)
www.imigrantesbebidas.com.br

Copyright® 2017 MundoVinho®. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução
de qualquer texto sem prévia autorização por escrito de MundoVinho®.
Desenvolvimento MadeinWeb Internet Solutions