Vinho
Indicar para um amigo

Casa de Amaro Varietal Merlot (Sulvin)

País: Brasil (Serra Gaúcha – Vinhos dos Altos Montes – Flores da Cunha)
Safra: 2004
Tipo: Tinto (100% Merlot)
Álcool: 12,00%
Temperatura de consumo: 16ºC a 18ºC
Preço: R$ 19,00

 
ApresentaçãoAnálise TécnicaNossa AnáliseHarmonizaçãoOnde encontrar
Apresentação

A história da Sulvin data de 1923, quando Amaro Godinho e sua mulher, Tereza Godinho, iniciaram a produção de vinhos em São Roque, interior de São Paulo. Ali nascia a “Casa de Amaro”, local de confraternização entre amigos e familiares, homenageado por esta linha de vinhos finos da vinícola, entre os quais este Casa de Amaro Varietal Merlot 2004.

O exemplar é elaborado em Flores da Cunha, na Serra Gaúcha, sub-região dos Vinhos dos Altos Montes. Já os 16,5 hectares de vinhedos próprios ficam em Ipê, também na Serra Gaúcha, onde, além de Merlot, são cultivadas as cepas Carmenère, Cabernet Sauvignon, Sangiovese e Chardonnay.

Dali saem todos os anos cerca de 6 mil garrafas deste Casa de Amaro Varietal Merlot 2004.

Posicionadas na encosta da Serra, em altitude de 900 metros acima do nível do mar, as vinhas são expostas a amplitudes térmicas que garantem a maturação da uva por um período mais longo e, ao mesmo tempo, geram frescor no vinho.

O vinho permanece por três meses em barricas de carvalho americano depois da colheita e prensagem, passando por leve correção, sem perder seu caráter frutado.

O Casa de Amaro Varietal Merlot 2004 está pronto para consumo, devendo ser servido com temperatura entre 16ºC e 18ºC.

Análise Técnica

A proposta da Sulvin com este Casa de Amaro Varietal Merlot 2004 é criar um vinho simples, gostoso e que combine bem com refeições cotidianas.

“Procuramos obter um vinho para consumo mais rápido, do dia-a-dia, menos tânico e que tivesse uma proposta menos pretensiosa”, afirma o enólogo Adans Reginato Boz, da Sulvin, responsável técnico pelo exemplar.

Segundo ele, este vinho apresenta uma coloração menos intensa no rubi, porém bastante adequada. Como o objetivo era manter a presença de frutas no olfato e paladar, a passagem pelo carvalho americano é breve, de três meses. “Como queríamos um vinho mais simples, optamos por deixar o tanino exercer sua função de conservante natural e, por isso, preparamos o vinho para não passar muito tempo em barricas”, justifica.

Ao levar o vinho ao nariz, o enólogo cita as notas de frutas vermelhas e um toque leve de madeira, caracterizado pelo odor de especiarias.

Boz afirma que, na boca, a entrada é leve, fina, nada explosiva, porém com bom frescor e acidez. “Há equilíbrio entre acidez, tanino e álcool, com a confirmação dos sabores de frutas vermelhas e algo de especiarias”, comenta. “É um vinho pronto para o consumo imediato, para que se explore bem a juventude e a forte presença de fruta”, recomenda.

Nossa Análise

Um vinho simples, para o “dia-a-dia”. Assim é este Casa de Amaro Varietal Merlot 2004, exatamente o que o produtor buscava, um vinho para ser servido sem grandes pretensões, casando bem com um prato no almoço ou no jantar, durante a semana.

Tem uma coloração boa, de rubi escuro, brilhante, com corpo médio, nada muito encorpado. No aroma, mostra um cheiro bom de canela e um pouquinho de madeira, além de uma boa presença de frutas vermelhas, algo de framboesa, ameixa e cereja. Mesmo antes do gole, já se nota a simplicidade do vinho, pois os aromas não são tão intensos.

Ao ser bebido, o Casa de Amaro Varietal Merlot 2004 confirma os sabores de frutas vermelhas, mais marcante a framboesa, e também uma pontinha de goiaba. Nota-se também um sabor levemente doce, de baunilha, perceptível na ponta da língua.

Não há muito frescor, a sensação refrescante que provoca salivação. Este é um fato até curioso, pois os vinhedos da Sulvin, instalados em Ipê (RS), ficam 900 metros acima do nível do mar. E na linha Reserva do Casa de Amaro, esta é uma característica marcante.

De toda forma, o vinho tem uma boa acidez, provocando salivação. O tanino, a substância adstringente que “amarra” ou “incha” a gengiva, parte interna da bochecha e lábios, é bastante discreto. Só que aparece: passados 10 minutos do início da degustação, começa a haver algum inchaço na gengiva superior. Há também bom equilíbrio com o álcool.

Depois de alguns minutos, apresentou algum amargor no fundo da língua e também um pouco de sal. Um vinho muito correto, com a intenção de ser simples.

Harmonização

Aves assadas (frango e peru)
Pizza
Macarrão ao sugo

Onde Encontrar

Sulvin
Atendimento personalizado pelos telefones (11) 8609-9064 (11) 9681-9588
cintia@sulvin.com.br
www.sulvin.com.br

Copyright® 2017 MundoVinho®. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução
de qualquer texto sem prévia autorização por escrito de MundoVinho®.
Desenvolvimento MadeinWeb Internet Solutions